Avanço da produção científica da UFPA é reconhecido por Ranking internacional

A Universidade Federal do Pará (UFPA) subiu, em 2022, 75 posições no SCImago Institutions Rankings (SIR), que avalia a influência científica das instituições de ensino e pesquisa pela análise da repercussão da produção científica nas bases de dados internacionais. Em 2021, a Instituição ocupava a 711ª e, neste ano, foi para a 636ª posição no mundo. Na América Latina, a UFPA ocupa a 73ª colocação. A edição 2022 do SCImago Overall Ranking foi divulgada no início de abril.

A classificação internacional SCImago Institutions Rankings (SIR) é elaborada pelo Laboratório de pesquisa SCImago Lab, ligado ao Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) do governo da Espanha. Um diferencial desta classificação é que ela avalia não apenas universidades mas também outras entidades que realizam pesquisa, como empresas, órgãos governamentais e instituições não governamentais. Nesta edição, foram avaliadas 4.364 instituições do mundo todo, com base na combinação de indicadores e métricas de desempenho em pesquisa, resultados de inovação e impacto social.

Na área de pesquisa, os critérios analisados, entre outros, são impacto científico, especialização temática, quantidade de publicações e colaboração internacional com redes de outras instituições. Nesse quesito, a UFPA foi a 376ª colocada entre as que mais publicaram artigos científicos indexados na base de dados científicos Scopus e mantém um avanço continuado de posições ao longo dos anos. Nas áreas de impacto social e inovação, a UFPA também teve bom desempenho, figurando, respectivamente, nas 225ª e 411ª posições mundiais.

Desempenho por área – O SCImago também classifica a produção de conhecimento em 19 áreas, nas quais o desempenho da UFPA pode ser conferido tanto em âmbito mundial quanto entre as instituições da América Latina, BRICS, Ibero-América e Brasil (quadro abaixo).

Nesse ranqueamento, a UFPA alcançou as mais altas colocações mundiais nas áreas de Odontologia, Medicina Veterinária e Ciências da Terra e Planetária. Já no contexto da América Latina, sobressaem-se as produções em Odontologia, Matemática e Farmacologia, Toxicologia e Ciências Farmacêuticas.

Entre as instituições brasileiras, as melhores colocações em nível mundial foram da Universidade de São Paulo (USP), sendo também a universidade latino-americana mais bem classificada; seguida pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Publicações – O ranking levanta ainda dados sobre as revistas mais utilizadas pelos pesquisadores da UFPA para publicarem seus artigos e o prestígio das revistas científicas nas quais o conhecimento da Instituição foi publicado, além de identificar as comunidades científicas predominantes. Ao todo, foram identificados 634 periódicos com publicações de pesquisadores da UFPA. Entre os periódicos que recebem artigos de pesquisadores da Federal paraense, figuram a Revista Nature, a Nature Genetics, a Neuron e a Advanced Materials, principalmente nas áreas de Medicina, Química, Ciências Biológicas e Física.

Para o reitor da UFPA, Emmanuel Zagury Tourinho, “a produção científica da UFPA tem avançado muito a cada ano, fruto do trabalho de nossos pesquisadores que, mesmo com a pandemia e a crise de financiamento da pesquisa no país, seguiram desenvolvendo estudos na fronteira do conhecimento, reconhecidos internacionalmente, como demonstram este e outros rankings. Esses resultados nos orgulham muito e mostram que as políticas institucionais de suporte à pesquisa e à pós-graduação, em especial os programas da UFPA para o apoio à publicação em revistas de impacto internacional e à cooperação com grupos estrangeiros, estão caminhando na direção certa, assim como acontece com as políticas para o ensino de graduação e para a extensão”.

Para mais informações, acesse o site do SCImago.

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional da UFPA
Foto: Acervo UFPA

Deixe uma resposta