ILUSÃO SOCIAL X REVOLUÇÃO SOCIAL. Em defesa do socialismo.

Por Emídio Quaresma (*)

A produção ideológica da ilusão social tem como finalidade fazer com que todas as classes sociais aceitem as condições em que vivem, julgando-as naturais, normais, corretas, justas sem pretender transformá-las ou conhecê-la realmente, sem levar em conta que há contradição profunda entre as condições reais em que vivemos (burguesia x proletário). A ideologia, que é reproduzida e reforçada nas relações interpessoais, é do ponto de vista das idéias, o elemento de sustentação do sistema capitalista. Esse conjunto de idéias, crenças e valores se solidifica no capitalismo e é utilizado para justificar a miséria dos pobres e a riqueza dos ricos.
De modo geral, somos levados pela ideologia da classe dominante a negar a luta de classe e esperamos que surjam heróis que façam o que é para nós fazermos. Isso é uma atitude covarde que demonstra que temos medo de enfrentar as forças de permanência da burguesia, que desumanizam, oprimem e violentam os pobres. A exploração e a dominação do capital sobre o trabalho se manifestam , por exemplo, nos salário pagos a mais de cem milhões de trabalhadores e aposentados (o salário mínimo que é uma iniqüidade, pois não dá para uma família com dois filhos se sustentarem durante uma semana), no desemprego, no descaso pela educação, pela saúde, a corrupção dos políticos, dos juízes da justiça, na própria justiça e nas leis que só protegem os ricos. E a OPRESSÃO SOCIAL é a violência generalizada que nasce do capitalismo baseado na exploração e no aviltamento do ser humano.
Muitas vezes ficamos perplexos diante dos inúmeros problemas sociais que encontramos em nossa volta: fome, miséria, pobreza, falta de moradia, doenças endêmicas, prostituição, violência, marginalidade, assalto, tiroteio e morte entre policiais e bandidos. Em nível mundial, a barbárie toma conta dos países pobres e se dissemina também nos países ricos; e os países ricos e imperialistas dominam e exploram os países pobres- são guerras, saques, bombas nucleares e todo tipo de armamento bélico a serviço da barbárie capitalista- imperialista. Também impressiona o egoísmo das pessoas que não se importam com a miséria alheia, sem piedade e sem compaixão. É a obsessão pelo deus Dinheiro, é a busca do TER e do PRAZER acima de tudo… O amor é uma força que ainda não consegue se impor, um sinal que a humanidade não está se amando como Jesus mandou: amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Mas o que gera a pobreza, a miséria? O que é que torna as pessoas obcecadas pelo dinheiro? O que é que faz com que o egoísmo prevaleça?
A essa altura podemos dizer que o Estado capitalista não descuida de nenhum detalhe do processo de educação do povo proletário, seja na escola, seja pelos meios de comunicação, seja pelas instituições do Estado burguês. A ideologia propagandeada pela burguesia é que um dia os pobres poderão ter um padrão de consumo igual aos países de 1º mundo, essa idéia só serve pra manter o povo pobre iludidos. Enquanto isso a população continua na miséria, sem saúde, educação de qualidade social e sem dignidade de viver. O Estado burguês se incube de educar o senso comum, um processo educativo que busca levar as pessoas a incorporarem a ascensão social como uma aspiração natural de todo ser humano.
Neste contexto, a escola é um dos meios pelos quais a burguesia dialoga com o censo comum das grandes massas da população levando-as a abandonarem aquelas crenças e valores, costumes e atitudes que dificultam a manutenção e o aperfeiçoamento do sistema capitalista. Cidadania é outro engodo da burguesia, existe o cidadão burguês, e outros cidadãos de classe B, C, D, E, F e os pobres e miseráveis. O SENSO COMUM, do povo pobre “devidamente” educado e alimentado ideológica e diariamente pelo Estado burguês, é incapaz de perceber que, se toda a população pudesse realmente subir na vida, estaria decretada a morte da própria burguesia, e que essa classe para existir precisa de uma massa enorme de explorados (de pobres).
O sadismo é característica da consciência opressora burguesa, na sua visão necrófila e egoísta do mundo. Por isso é que o seu amor é um amor às avessas – um amor à morte e não à vida… Infelizmente a maioria do proletário sofre de uma doença parasitária e é hospedeira do verme burguês… Os oprimidos acomodados, adaptados e imersos na engrenagem da estrutura dominadora, presos, escravos quase que impossibilitados de sair dessa engrenagem, o capitalismo; é assim que proclamam os arautos do capitalismo : não tem mais jeito…!
A ideologia da burguesia diz que as coisas são o que são por que é inevitável! Eu digo que não, e que esta realidade pode ser transformada, pois foi construída pelo homem, com a hegemonia da classe dominante em cada momento histórico, através das lutas de classes. Mas é preciso escolher: no capitalismo o proletário é explorado pela burguesia, no socialismo o operário trabalha para o seu bem estar e da coletividade, no capitalismo o objetivo da economia é o lucro da burguesia, no socialismo o objetivo da economia é o bem-estar social da coletividade; no capitalismo a economia é baseada no mercado, no socialismo a economia é planificada pelos trabalhadores, no capitalismo a propriedade é privada no socialismo a propriedade é de todos (coletivo).
Os sentimentos de frustração e descontentamento que nascem dos seguidos fracassos por si só não são o suficiente para que os indivíduos caminhem rumo à superação do senso comum. Educados como são, a obedecer e orientar suas vidas de acordo com os valores de mercado, disciplinados a pensar e agir nos estreitos limites traçados pelos interesses dos ricos, dificilmente conseguirão transformar sua revolta em algo ameaçador, numa revolução socialista. Tendo como instrumento teórico a visão de mundo do senso comum e como prática a busca incessante do interesse individual, a hipótese mais provável é a de que a classe dominante terá mais tempo e condição suficiente para viabilizar um novo patamar de suas relações com os setores subalternos e reconquistar a confiança das massas nas possibilidades do sistema, a exemplo do que hoje fazem o governo de Lula e o PT. Só com teoria marxista e a fé em Deus Libertador é que se faz a revolução socialista.
A questão é: ou vota-se nos de cima ou se luta com os de baixo; ou se faz a revolução ou se aceita a barbárie. Os proletários nada têm a perder e têm um mundo a ganhar. A generosidade do opressor é falsa; a burguesia leva os homens à barbárie, ao irracionalismo. A revolução socialista é biófila, é criadora de vidas, ainda que para criá-la, seja obrigada a deter vidas que matam vidas; logo, nós, os trabalhadores, é que devemos lutar em todos os espaços para mudar as instituições e a própria educação. Graças a Deus, somos capazes de construir a ferramenta capaz de enfrentar essa famigerada burguesia não se cansa de dizer que o socialismo morreu; e nós teimamos em dizer: burgueses, tremam diante de uma revolução socialista. Proletários de todos os países, uni-vos! Nossa tarefa histórica é transformar essa sociedade dominada pela burguesia.

(*) Emídio Quaresma é trabalhador em educação da SEDUC em Ananindeua- PA, militante cristão e socialista.

Uma resposta para “ILUSÃO SOCIAL X REVOLUÇÃO SOCIAL. Em defesa do socialismo.”

  1. Esse artigo fez com que eu abrisse os olhos para a realidade. Infelizmente, também sou um escravo do capitalismo exploratório. Olhei para as pessoas da minha família, do meu emprego e do bairro onde moro e fiquei triste, porque percebi que, todos a minha volta, também são explorados e enganados.
    Mas como eu posso contribuir para mudar esse sistema?

Deixe uma resposta