Paraense Cristina Serra é candidata à presidência da Associação Brasileira de Imprensa- ABI

Por Ju Abe

A jornalista Cristina Serra pode vir a ser a primeira mulher a presidir a Associação Brasileira de Imprensa, a ABI. A candidatura foi comunicada publicamente nesta sexta-feira (04). Além de trazer a representatividade feminina para um órgão de grande importância à sociedade brasileira, a jornalista ainda levará o nome do Estado do Pará, pois Cristina é paraense.

Atualmente colunista da Folha de São Paulo, Serra começou sua carreira no extinto jornal “Resistência” da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SPDDH), em Belém. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1983, onde consolidou-se em veículos como jornal impresso O Globo, TV Globo e Revista Veja. Atualmente, participa de dois canais de debate no Youtube: “Rebeldes Sempre” e “Manhattan Disconnection”.

Depois que decidiu sair da TV Globo, onde trabalhou por vários anos como comentarista, repórter e apresentadora em jornais e programas como Programa do Jô, Jornal Nacional, Fantástico e Bom Dia Brasil, Cristina faz valer-se de sua origem amazônida para constituir-se enquanto importante peça no debate nacional das pautas ambientais, publicando dois livros: “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil” e “A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado – uma história de conservação”.

A chapa presidida pela belenense, caso eleita, será empossada em abril na sede da ABI, que fica no Rio de Janeiro. Na vice-presidência está a jornalista Helena Chagas, colunista do Brasil 247e ex-Ministra-Chefe da Secretaria de Comunicação Social durante o governo Dilma Rousseff.

Segundo entrevista concedida à Gustavo Kaye, do Agenda do Poder, a candidatura à presidência da ABI é apoiada pela gestão atual, a qual ela considera realizar um importante trabalho na defesa da democracia e da liberdade de expressão diante dos ataques constantes à imprensa partidos do presidente Jair Bolsonaro.

“Quando a atual direção da ABI foi eleita, já havia esse contexto (governo Bolsonaro), e tem feito um trabalho muito importante de defesa da categoria, de defesa dos jornalistas e de defesa da democracia”, diz Serra.

Na entrevista, a jornalista e escritora também respondeu ao questionamento sobre as propostas de sua chapa: recuperação financeira da ABI, ampliação da comunicação da Associação no espaço cibernético e continuar as pautas de defesa da democracia e da liberdade de expressão enquanto princípios constitucionais.

Dentre as ações que a gestão atual da ABI tem realizado na defesa da liberdade de imprensa e da democracia, Cristina ressalta o encaminhamento de um pedido de impeachment do Ministro da Saúde Marcelo Queiroga,  por conta do atraso na vacinação das crianças.

Por ser uma chapa presidida por duas mulheres, a representatividade é uma marca importante da candidatura, entretanto, ela ressalta que a proposta de sua gestão vai para além disso: “Nesse aspecto da representatividade é muito importante, mas o que me levou a aceitar a candidatura é considerar que eu tenho uma contribuição a dar nesse momento que o Brasil atravessa”.

Deixe uma resposta