Exposição Arte na Avenida colore a Doca de Souza Franco com temática socioambiental

Como ação integrada à programação da Cúpula dos Países da Amazônia e dos Diálogos Amazônicos, Belém recebe, desde deste sábado, 5, pela primeira vez, a exposição: Arte na Avenida: Conexão São Paulo – Amazônia, do Novo Acordo Verde (NAVE), que conta com 21 obras de sete artistas mulheres de diferentes ascendências, e com três painéis realizados por artista membro do NAVE.

A exposição é uma constatação do destaque da capital paraense, como centro das atenções para o debate e cuidado com o meio ambiente e ocorre ao longo de toda av. Visconde de Souza Franco (Doca).

Arte engajada

O conjunto de painéis urbanos é considerado a maior exposição do mundo e já foi visto por cerca de 45 milhões de pessoas, que puderam prestigiar obras de artistas brasileiros, que retratam a necessidade do cuidado com meio ambiente e clima.

“A escolha de Belém foi pelo trabalho intenso que a cidade está tendo em relação às questões ambientais e culturais. Para nós é uma satisfação está aqui com o apoio da Prefeitura de Belém, goveno do estado e governo Federal”, informa André Guimarães um dos representantes da Maná Produções, responsável pela exposição.

Para o entregador Isaac da Conceição, que trabalha diariamente na av. Visconde de Souza Franco, os painéis com as obras que retratam o meio ambiente tornaram Belém mais colorida.  “Ei gostei como ficou. Eu sempre passo aqui pela Doca, ficou bem colorido e mostra a nossa cultura”.

Coletivo de artistas

Roberta Carvalho (PA), Moara Tupinambá de Mairi (PA), Moara Negreiros (aka Moka), nascida no Acre e criada em Macapá (AP), Catharina Suleiman (SP), de origem libanesa; Erica Mizutani (aka Mizu), (SP) com descendência japonesa; Soberana Ziza (SP), mulher preta de origem periférica, e Talita Hoffmann (RS) são as artistas responsáveis pelos painéis. Também fazem parte da exposição painéis especiais sobre o NAVE, de autoria de Caco Galhardo (SP), um dos pioneiros da comunicação climática com arte, fundador do Fervura no Clima e conselheiro do próprio NAVE.

“A gente está apresentando arte na avenida trazido pelo NAVE (Novo Acordo Verde), que é o movimento social que une especialistas, lideranças públicas, artistas e criadores de conteúdos em geral para engajar a população de maneira mais direta por meio da arte”, explica o presidente do NAVE, Pedro Henrique Christo.

Ele esclarece, que o coletivo de aristas entende que as soluções científicas, em sua grande maioria, já estão alcançadas. Porém, o grande problema é alcançar o público e nada melhor que com a população participando e interagindo no dia a dia da.

“O segmento da cultura em Belém  tem sido muito importante  para a nossa formação, para que o povo saiba receber, contemplar, respeitar e preservar o que nós temos. Nós não teríamos tanta intervenção, no bom sentindo, na área  da cultura, educação e saúde, se não tivéssemos governos e administração democráticas”, afirma a presienta da Fundação Cultural de Belém (Fumbel), Inês Silveira.

A exposição permanece em Belém até 9 de setembro na avenida Visconde de Souza Franco, a partir do Porto Futuro.

Via Agência Belém

Deixe uma resposta