“Arte na avenida”: Belém é a primeira cidade fora de São Paulo a receber o projeto

Fotos: Ponto de Pauta

Desde o último dia 5, a avenida Doca de Souza Franco, em Belém, é palco da exposição “Arte na Avenida: Conexão São Paulo – Amazônia”, partindo do Parque Urbano Belém Porto do Futuro até a Rua Senador Lemos. São 24 artes impressas em lona, estruturadas em painel metálico, que ficarão expostas ao ar livre até o dia 9 de setembro. A capital do Pará foi a escolhida, fora de São Paulo, para receber a primeira edição do projeto.

A iniciativa é do movimento Novo Acordo Verde (NAVE), com apoio do Governo do Pará e prefeitura de Belém, e patrocínio do Centro Cultural Banco do Brasil – São Paulo (CCBB-SP), e Governo Federal, via Ministério da Cultura. A curadoria é de Márcio Ribeiro e Mariana Martins.

“A escolha foi Belém pelo trabalho intenso que a cidade está tendo em relação às questões ambientais e culturais. Esperamos que vire um calendário anual, que todos os anos a gente faça São Paulo e Belém, e pra nós é uma satisfação. A arte unifica, então, poder trazer da lá de baixo, aqui pra cima, significa a gente integrando sim, através da arte, esse Brasilzão”, afirma André Guimarães, representante da Maná Produções, responsável pela produção da mostra junto com a plataforma de comunicação Fervura no Clima.

Os artistas participantes são Roberta Carvalho (PA), Moara Tupinambá, de Mairi (PA), Moara Negreiros (aka Moka), nascida no Acre e criada em Macapá (AP), Catharina Suleiman (SP), de origem libanesa; Erica Mizutani (aka Mizu), (SP) de ascendência japonesa; Soberana Ziza (SP) e Talita Hoffmann (RS). A mostra também apresenta painéis especiais sobre o NAVE, feitos por Caco Galhardo (SP), pioneiro na comunicação climática através da arte. Os painéis focam na importância do cuidado com o clima, meio ambiente, paz, democracia e trabalho.

Segundo Pedro Christo, presidente do NAVE, para esta edição de Belém houve inovações em relação à exposição apresentada em São Paulo.

“Ela tem como foco o cuidado, o cuidar do planeta, das pessoas e da democracia, temas essenciais para a manutenção da vida humana e da esperança. Nesse sentido a gente está muito feliz de estar aqui em Belém, nesse evento realizado em parceria com o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo, onde a gente vai replicar essa exibição com mais alguns outros materiais, inclusive trazendo lideranças aqui de Belém para participar do seminário lá. É muito importante integrar o Brasil inteiro com a Amazônia, e Belém é a porta de entrada disso tudo”, diz Pedro.

Com informações de Agência Pará.

Deixe uma resposta