Secretaria de Habitação de Belém localiza e combate golpe envolvendo moradias populares

Conjunto habitacional Viver Belém.
Foto: Agência Belém

A Secretaria Municipal de Habitação identificou casos de estelionato praticados por criminosos que usam projetos habitacionais da Prefeitura de Belém para enganar famílias com a venda de apartamentos do Programa Viver Belém.

Até o momento, a Sehab constatou 385 apartamentos ocupados irregularmente por famílias que informam ter comprado os imóveis por valores que variam entre R$ 2.500,00 a R$ 3.500,00. O dinheiro teria sido entregue a pessoas que se passaram por funcionários da Sehab, identificadas com colete e crachá da secretaria.

Pelo menos 19 casos já estão na justiça e seguem acompanhados pelo Departamento Jurídico da Sehab. Segundo o secretário de Habitação, Rodrigo Moraes, as famílias que adquiriram os imóveis nessas condições foram enganadas e deverão desocupar as residências. Algumas delas sequer estão cadastradas no Programa Viver Belém.

A entrega dos imóveis é feita pela Caixa Econômica Federal, responsável pela construção das unidades de moradia. Ainda assim, preocupada com a situação, a Sehab já solicitou uma reunião com o delegado geral da Polícia Civil para buscar a identificação e responsabilização criminal dos envolvidos nesse golpe.

Equipes da Sehab atuam no esclarecimento sobre os requisitos e processos de inscrição e participação no Programa Viver Belém, destacando que as pessoas não devem pagar nenhuma quantia a quem quer que se apresente.

Canais de denúncias – Um telefone de serviço – 91 98580-8658 – para atender a comunidade e receber denúncias já está disponível. As pessoas podem mandar mensagens, enviar fotos, documentos e detalhar as denúncias, que serão analisadas pelos departamentos Social e Jurídico da secretaria.

Canais de alerta também estão sendo implementados para ajudar no esclarecimento da população. Segundo os assistentes sociais que acompanham os casos, algumas pessoas são muito humildes, emprestaram dinheiro de outras pessoas e até de agiotas para conseguir o recurso e “comprar” a casa para as famílias, com a certeza de que tratava diretamente com a prefeitura – preencheram documentos com a marca da Sehab.

Os esforços são para evitar que as pessoas caiam nesse tipo de golpe e buscar, junto à polícia, a investigação e responsabilização dos golpistas envolvidos.

Texto: Agência Belém

Deixe uma resposta