Justiça Eleitoral: “Bancada das Mulheres Amazônidas” (PSOL) tem parecer favorável em 1ª audiência

Integrantes da Bancada das Mulheres Amazônidas (PSOL) Fonte: Gizelle Freitas/Arquivo pessoal

Depois de inúmeras denúncias sobre as eleições municipais de 2020, principalmente no que se refere às cotas femininas dentro dos partidos, conforme consta nos autos dos processos, que citam mulheres sendo utilizadas como “laranjas” para o cumprimento das representações femininas nos pleitos de 2020.

A chapa “Bancadas das Mulheres Amazônidas” (PSOL), representada pela assistente social Gizelle Soares de Freitas, foi uma das prejudicadas em decorrência deste possível crime eleitoral que está sendo averiguado pela justiça, assim como a bancada, outros candidatos estão recorrendo em busca da reparação devida por conta de possíveis fraudes diante do direito à democracia, que neste caso não foi realizada de forma idônea, segundo os reclamantes. Nesta quinta-feira, foi realizada a 1ª audiência onde a “Bancada das Mulheres Amazônidas” conseguiu parecer favorável.

“Sobre a 1ª audiência referente a ação judicial que estamos movendo contra os partidos que fraudaram a cota de gênero e usaram mulheres como candidatas laranjas. Que a justiça se faça presente, só isso que queremos. Sabemos que não é uma batalha fácil, mas nesse 1° round tivemos o parecer favorável do juiz relator, que brilhantemente sustentou sua posição. A ação foi suspensa devido um Desembargador ter pedido vistas do processo. Na terça-feira teremos novo round” Comentou a integrante Gizelle Freitas em sua rede social.

Deixe uma resposta