Prefeito Edmilson visita o Mata-Fome e trata com a população sobre projeto que visa moradia com dignidade

Fotos: João Gomes/ Comus

Os moradores dos bairros da Pratinha II e Tapanã estão empolgados com o empenho da Prefeitura de Belém em relação ao projeto de infraestrutra urbana da Bacia Hidrográfica do Mata-Fome. Nesta quinta-feira, 1º, o prefeito Edmilson Rodrigues visitou a comunidade para um momento de conversa e escuta das demandas dos moradores. Assim que for concluído, o projeto beneficiará mais de 50 mil pessoas, que vivem nos bairros da Pratinha, Tapanã, São Clemente e Parque Verde.

Há mais 30 anos morando no bairro da Pratinha II, o aposentado Raimundo da Costa, de 83 anos, disse estar emocionado ao saber que a gestão do prefeito Edmilson Rodrigues tem um olhar sensível aos que moram na área do canal do Mata-Fome.

“Há muitos anos sofremos com alagamentos e, agora, com essa gestão do prefeito Edmilson só esperamos melhorias. Esse projeto vai ser muito abençoado por Deus”, disse o aposentado.

Durante a visita, o prefeito de Belém percorreu ruas com os moradores dos dois bairros para que conheçam, por ele mesmo, pontos focais do projeto que possibilitará a eles moradia com dignidade.

“Nós apresentamos o projeto por escrito, com as ideias gerais para realizar a drenagem e a urbanização da área. O Banco Fonplata topou financiá-lo, mas a liberação dos recursos será quando o projeto físico, feitos pelos arquitetos, engenheios e urbanistas, corresponder aos objetivos. Agora, esse desenho está sendo elaborado e, a partir daí, avança com o projeto base, que nos dará condição de licitar, assinar, receber os recursos para fazer o sonho dos moradores virarem realidade”, explicou Edmilson Rodrigues.

Força-tarefa –  O empréstimo de U$ 60 milhões de dólares garantidos à Prefeitura de Belém junto ao Banco de Desenvolvimento Sul-Americano, Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata (Fonplata), está aprovado, mas ainda não foi concedido. A administração municipal aguarda a negociação acerca dos termos do contrato, que envolve o Fonplata e o Ministério da Economia.

As reuniões para a resolução dessas tratativas serão realizadas na próxima semana, entre os dias 5 e 9 deste mês, com a equipe formada pelo titular da Secretaria Municipal de Coordenação-Geral de Planejamento e Gestão (Segep), Cláudio Puty; e diretores da Segep, Edilson Rodrigues e Bremmer Brelaz.

O projeto de macrodrenagem do igarapé Mata-Fome envolve obras no sistema da rede de esgoto, macrodrenagem, urbanização, construções de habitações e recuperação do igarapé.

Na conversa com os moradores, o prefeito Edmilson enfatizou a importância de montar a Comissão de Fiscalização de Obras e Serviços (Cofis), com o envolvimento de lideranças da área para que acompanhem desde a concepção do projeto até a execução das obras.

Ainda durante a visita, ele garantiu que a ponte de madeira da Dom Pedro I, que dá acesso à comunidade do Mata-Fome, será refeita pela Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) e irá garantir mais segurança aos que transitam no local.

Moradia com dignidade – O aposentado Teonato Freitas, de 66 anos, morador há 22 anos da Pratinha II, está ansioso para ver o início das obras na expectativa de ter moradia com dignidade.

Ele contou que as gestões anteriores abadonaram a área e “pedimos que olhassem por nós, para melhorar a situação da nossa comunidade, porque as crianças não conseguem brincar na rua”.

A dona de casa Rosa Maria Ferreira, de 73 anos, disse ter certeza que o prefeito Edmilson não medirá esforços para oferecer aos moradores da área do Mata-Fome melhores condições de vida. “Vai melhorar muito pra gente quando o projeto for concluído e acho muito boa essa iniciativa do prefeito de conversar com a gente querendo saber a nossa opinião”, comentou.

Texto: Joyce Assunção, via Agência Belém.

Deixe uma resposta