Palacete Pinho será restaurado e transformado em escola de artes

Em sua visita pelos prédios públicos de Belém, para avaliar a condição em que estão, o Prefeito Edmilson Rodrigues esteve também no Palacete Pinho, localizado no bairro da Cidade Velha. O imóvel pertence ao poder municipal e passou por obras em 2003, mas acabou não sendo utilizado nos anos seguintes. O gestor municipal visitou os três andares do prédio, que é tombado pelo  Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

Após a visita o prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que a equipe de projetos especiais da Prefeitura vai elaborar um projeto para a restauração do local, que pode vir a ser um espaço para o aprendizado de música e outras artes. “Foi com tristeza que vi esse importante patrimônio deteriorado. Iniciamos o trabalho, estabelecendo a criação de um grupo para elaborar o projeto de restauro, para que, no ano que vem, nós possamos ter o Palacete Pinho transformado em uma grande escola de artes, tendo a música, a dança, o cinema, a pintura e muitas outras manifestações”.

O resgate e a valorização do patrimônio municipal é uma das principais ações desenvolvidas pela Prefeitura Belém atualmente. A Secretaria Municipal de Administração (Semad), órgão responsável pela gestão patrimonial do município, vem realizando o levantamento dos prédios públicos municipais e já visitou mais de 13 imóveis, vistoriando as condições estruturais de cada um.

“A cada dia, estamos descobrindo situações de prédios em condições de abandono. Há 15 dias, fizemos uma visita no centro comercial e vistoriamos quatro imóveis, que estavam abandonados e sem controle de acesso. Não vamos abrir mão de corrigir esse abandono”, declarou a titular da Semad, Jurandir Novaes.

O objetivo das vistorias é resgatar o patrimônio municipal e buscar uma destinação múltipla para os prédios, como a instalação de órgãos municipais e o uso social para políticas públicas. Para essa recuperação, a prefeitura já apresentou uma proposta de operação de crédito à Câmara Municipal de Belém. 

Deixe uma resposta